A importância da Medicina de Tráfego

Hoje, existem cerca de 3600 médicos do tráfego registrados pela Associação Brasileira de Medicina do Tráfego no Brasil. E como essa é uma especialidade que não consultamos toda hora, muitas pessoas têm dúvida sobre o que afinal faz um médico dessa área.

Medicina de Tráfego é o ramo da ciência médica que trata da manutenção do bem-estar físico, psíquico e social do ser humano que se desloca, qualquer que seja o meio que propicie a sua mobilidade. Estuda as causas do acidente de tráfego a fim de preveni-lo ou mitigar suas consequências, além de contribuir com subsídios técnicos para a elaboração do ordenamento legal e modificação do comportamento do usuário do sistema de circulação viária.

Áreas de Atuação

Suas principais áreas de atuação são: Medicina de Tráfego Preventiva, Curativa, Legal, Ocupacional, Securitária, Medicina do Viajante, Medicina de Tráfego Aeroespacial, Aquaviário, Ferroviário e Rodoviário.

A Medicina de Tráfego Preventiva identifica os fatores etiológicos dos acidentes; define os grupos de alto risco; caracteriza e divulga periodicamente índices de morbidade, mortalidade e o número de incapacidades produzidas pelos acidentes de trânsito; difunde o tema na comunidade, incluindo nos programas de prevenção e campanhas educativas as opiniões e experiências dos especialistas. No contexto da Medicina de Tráfego Preventiva, o Exame de Aptidão Física e Mental é de grande importância, já que a adequada avaliação médica permite o afastamento temporário ou definitivo do condutor de veículo, ou candidato a condutor, portador de doença de risco para a segurança de trânsito.

A Medicina de Tráfego Legal realiza perícias, avaliações e colabora com o Poder Público na concepção, elaboração e aplicação de uma legislação adequada e eficiente relativa à medicina e segurança de trânsito. Resoluções do Conselho Nacional de Trânsito tiveram ampla colaboração dos especialistas da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (ABRAMET).

A Medicina de Tráfego Curativa cuida do atendimento no local do acidente (Atendimento Pré-hospitalar) e do transporte da vítima para o hospital. Um atendimento imediato e correto pode salvar muitas vítimas de acidentes de trânsito.

A Medicina de Tráfego Ocupacional cuida da prevenção das doenças dos motoristas profissionais, como perda auditiva, surdez, zumbido, problemas respiratórios, doenças osteomusculares, neuroses, fobias e distúrbios comportamentais. Preocupa-se com o stress físico e psíquico, riscos físico, químico, biológico e de acidente e com os aspectos ergonômicos do exercício da profissão de motorista. Estuda as condições inseguras do tráfego e a normatização dos exames a que devem ser submetidos os motoristas que dirigem profissionalmente, em acordo com os riscos a que estejam expostos, sugerindo procedimentos médicos a serem implementados por ocasião dos exames admissionais, periódicos e demissionais.

A Medicina do Viajante estuda, entre outros, o planejamento da viagem, as doenças infectocontagiosas prevalentes no percurso e destino do viajante, a imunização recomendada nas viagens dentro do território nacional e para outros países, as patologias relacionadas com o meio de transporte, com as mudanças geográficas como altitude e clima, os seguros de viagem e o ecoturismo.

A Medicina de Tráfego Aeroespacial especializa médicos para trabalhar em empresas aéreas, no transporte aéreo de doentes, nos aeroportos, nas inspeções de saúde dos trabalhadores das atividades aéreas e na orientação das pessoas que desejam viajar. Com o avanço dos estudos de fatores de estresse na atividade aérea e suas consequências sobre o passageiro (paciente) e tripulantes é necessário que a equipe médica tenha profundo conhecimento da fisiologia aeroespacial e efeito dos fatores de estresse, para minimizá-los, e dos limites e normas de segurança durante o voo.

A Medicina de Tráfego Securitária avalia danos físicos causados pelos acidentes de tráfego para efeito de recebimento de seguros pessoais.

Outros tipos de tráfego como o aquaviário, o ferroviário e o rodoviário também necessitam, da parte médica, de melhor atenção no estudo e atendimento de suas questões do que vêm sendo observado até então em nosso país.

A Medicina de Tráfego Aquaviário deverá avaliar a condição médica de candidatos a obtenção de habilitação para embarcações na categoria amador (esporte e/ou lazer), regulamentada pelo Anexo III da Portaria 0026/94 da Diretoria de Saúde da Marinha.

A Medicina de Tráfego Ferroviário estuda as causas e as consequências dos acidentes ferroviários para contribuir na prevenção e no atendimento pré-hospitalar.

Formação Acadêmica em Medicina de Tráfego

Em 2003 a Comissão Nacional de Residência Médica aprovou o Programa de Residência em Medicina de Tráfego, que é desenvolvido em dois anos. A formação também pode ser feita através de curso de especialização em Medicina de Tráfego, que confere ao pós-graduado treinamento e formação para atender todos os tipos de exigências da especialidade.

Mercado de Trabalho do Especialista em Medicina de Tráfego

O campo de atuação do Médico de Tráfego é amplo e tanto a residência médica quanto os cursos de especialização têm como objetivo a capacitar médicos para: realizar o Exame de Aptidão Física e Mental para condutores e candidatos a condutores exigido pelo Código de Trânsito Brasileiro; atuar no atendimento pré-hospitalar de vítimas de acidentes de tráfego; atuar em empresas (públicas, privadas, autarquias ou sindicatos) de transporte terrestre, marítimo ou aéreo, na área de segurança de tráfego e saúde ocupacional; atuar como orientadores de viagens; atuar em perícias securitárias de vítimas de acidentes de trânsito; orientar, analisar, realizar pesquisas e contribuir na organização educacional e legal do trânsito.

O nível de remuneração em Medicina de Tráfego é variável, uma vez que o médico pode ser funcionário público, empregado de uma grande empresa ou profissional liberal. Ele pode ter, por exemplo, uma clínica credenciada pelo DETRAN para fazer exames de aptidão física e mental para condutores ou candidatos a condutores de veículos automotores.

Em São Paulo, por exemplo, as clínicas recebem R$ 60,00 (sessenta reais) por exame realizado. O médico pode também trabalhar para a Prefeituras no Atendimento ao Suporte Avançado de Vida do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), recebendo salário mensal de até R$ 5.000,00 (cinco mil reais).

Fonte: Flávio Adura, Daniele Gianvecchio, Daniel Romero Muñoz

Ligamos para você!
0800 600 3720
Central de Matrículas
X
Nós ligamos para você!
Whatsapp