Mais de 5 milhões de crianças sofrem com algum transtorno mental

Publicado em 11/10/2018

Crianças, especialmente as menores, nem sempre conseguem expressar muito bem o que estão sentindo ou o que está provocando desconforto. E é nessa fase também que a maioria das doenças, transtornos físicos e mentais apresentam os primeiros sinais.

Uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Pediatria, em parceria com o Ibope, revelou que 5 milhões de crianças brasileiras sofrem com algum transtorno mental. A maior parte apresenta sintomas de mais de um transtorno. Mais de 3 milhões têm sinais de hiperatividade ou desatenção, 7,8% possuem dificuldades com leitura, escrita e contas, 6,7% têm sintomas de irritabilidade e comportamentos desafiadores e 6,4% apresentam dificuldade de compreensão e atraso em relação a outras crianças da mesma idade.

Sinais importantes de depressão também aparecem em aproximadamente 4,2% das crianças e adolescentes. Na área dos transtornos ansiosos, 5,9% têm ansiedade importante com a separação da figura de apego, 4,2% em situações de exposição social e 3,9% em atividades rotineiras como deveres da escola, o futuro e a saúde dos pais.

O problema, segundo especialistas, é que 28,9% não conseguem ou não tem acesso a atendimento público. Os profissionais ainda afirmam que o resultado do levantamento é preocupante, já que um estudo do Ministério da Saúde mostra que existem só pouco mais de 260 Centros de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil especializados no atendimento em saúde mental para crianças e adolescentes em todo país.

Por isso, é importante saber como detectar a doença mental na criança para que seja possível intervir o mais cedo possível.

Sinais importantes

Deve ficar claro que saber como identificar os primeiros sinais de doença mental é uma tarefa que deve sempre deve contar com o apoio de exames médicos e psicológicos. Diagnósticos de transtornos mentais só podem ser executados por profissionais e nem a preocupação dos pais nem as queixas da criança devem ser considerados como motivos válidos para iniciar um tratamento improvisado.

Ao mesmo tempo, devemos também levar em conta que é normal que a criança se sinta mal de vez em quando ou apresente comportamentos que possam parecer estranhos para. As chances de que isso esteja relacionado a alguma doença mental precisa estar associado com:

  • Se a ocorrência destes comportamentos é mais ou menos abrupta.
  • Se corresponder a um evento estressante ou lesão traumática.
  • A intensidade e o grau que esses sintomas surgem e desaparecem.
  • Se estes comportamentos podem ser desgastantes para o bem-estar da criança ou das pessoas que convivem com ela.

Ao considerar se a criança pode estar desenvolvendo uma doença mental é importante usar o bom senso e ter em mente que a última palavra sempre deve ser de um psicólogo clínico ou de um psiquiatra.

Alguns dos sintomas são:

1.Tendência à auto-lesão

O fato de que uma criança se auto-lesionar com ou tentar bater a cabeça contra objetos duros com frequência,é motivo para consultar um especialista. No entanto, você precisa parar para pensar antes sobre quais são as motivações reais da ocorrência das lesões. Por exemplo, que um bebê tente descer as escadas engatinhando não significa que ela queira se auto-lesionar, ele simplesmente não sabe que isso pode ser perigoso.

A auto-lesão geralmente tem a ver com a incapacidade de gerir o stress corretamente, o que o leva à gerar dor como forma de se distrair de pensamentos ainda mais desagradáveis.

2. Alterações de humor

Muitas mudanças bruscas de humor também são indicadores de doença mental, especialmente se você não conseguir relacioná-los com eventos objetivos ocorridos no ambiente e ocorram de forma irregular. No entanto, é importante considerar também que crianças pequenas choram muito facilmente, porque isso faz parte do seu nível de maturação neurológica.

3. A rejeição da sua própria aparência

A não aceitação do próprio corpo em uma idade precoce pode ser um sintoma de doença mental em crianças. No entanto, em casos como o de disforia de gênero, considera-se que as causas são principalmente psicológicas, e não são causados por um desajuste físico.

Reclamações sobre o peso também podem ser sinais de  transtornos alimentares em desenvolvimento se forem persistentes e tiverem implicações com a quantidade de comida ingerida.

4. Irregularidades na hora de comer

Comer muito pouco ou ter compulsões alimentarem ocasionais podem ser sinais de funções psicológicas para algo que não está bem no mundo de relações da criança. A partir da puberdade, a pressão para construir uma identidade socialmente aceitável pode levar com que os jovens façam grandes sacrifícios para ter uma boa aparência.

5. Explosões de raiva

Explosões de raiva freqüentes podem ser o resultado de um desequilíbrio neuroquímico do sistema nervoso que afeta o humor ou, visto de outra perspectiva, podem ser o resultado de um padrão de comportamento que foi aprendido involuntariamente, apesar de não serem úteis ou eficazes.

6. A tendência para ferir os outros

A tendência a infligir assédio moral nos outros ou ferir animais, também é motivo de preocupação, e é necessário implementar programas de correção para que este comportamento não se desenvolva. Pode ser devido a uma incapacidade de sentir empatia com os outros, ou também pode ser que haja um problema gerando tanto estresse que leve a criança a agir impulsivamente.

7. Desconexão com a realidade

Este é um dos sintomas mais difíceis de detectar, porque as crianças tendem a apreciar o pensamento mágico e fantasiam sobre situações fictícias. A chave aqui é detectar se esse pensamento mágico desaparecerá com o passar do tempo ou se as fantasias representarem um risco para o seu bem-estar ou de outra pessoa.

Com relação aos amigos Imaginários, é normal que a criança se recuse a admitir que realmente não existem, apesar de estar ciente da verdade, só para não interferir com a fantasia. Nesses casos, é bom investigar se o amigo imaginário faz coisas que a criança não espera ou que causam problemas que não possam ser controlados.

8. Tendência para o isolamento

Muitas crianças preferem brincar sozinhas, mas algumas delas fazem isso porque se sentem mal a presença de outras pessoas, em qualquer contexto. Estes casos podem ser motivo de aconselhamento psicológico, pois poderia ser um sinal de desordem do espectro autista.

9. Sérias dificuldades na escola

Dificuldades na escola podem ter relação com distúrbios de aprendizagem, como a dislexia ou discalculia, ou também pode ser o resultado de um doença mental grave (embora, é claro, muitas vezes é um alarme falso a este respeito). A infância é uma fase em que distúrbios do desenvolvimento podem dar uma impressão negativa sobre a evolução futura da pessoa se não forem abordadas de forma eficaz.

10. Falta de motivação

A existência de uma atitude extremamente passiva e uma clara falta de iniciativa pode ser um sinal de problema psicológico. Especificamente associada com distúrbios depressivos.

11. Queixas constante de dor ou desconforto

Claro que a dor é um elemento que tem muito a dizer na detecção de uma doença. Às vezes, ela pode se referir a uma dor de cabeça que pode ser causada pelo mau funcionamento de certas funções psicológicas relacionadas com a percepção ou a concentração .

 

 

 

Ligamos para você!
0800 600 3720
Central de Matrículas
X
Nós ligamos para você!
Whatsapp